Pesquisar no blogue

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Tascos imperdíveis: Tatana

tascos (definição de Donna Lisa): restaurantes onde se come em quantidades industriais, pratos tipicamente portugueses, sem o mínimo de preocupação por níveis de gordura, sal e açúcar, e cuja última das prioridades é a decoração do local (o que não quer dizer que seja obrigatoriamente má); normalmente os pratos são confecionados com produtos locais, de ótima qualidade, que provavelmente não passaram em nenhum controlo de qualidade (só o do cliente) e são geridos como um negócio familiar, em que diversos elementos da família cumprem as várias funções no tasco (desde a mãe cozinheira até ao pai empregado de mesa); além de tudo isto, são espaços que estão sempre cheios de clientela, barulhentos, e a conta no final é desproporcionalmente inferior à quantidade de comida que se ingeriu
 
Bem, o que dizer sobre o Tatana?... Havia tanto para dizer, mas eu vou tentar descrever o melhor que conseguir este "tasco", apesar de ser uma missão demasiado ambiciosa!

O Tatana foi onde eu tive a minha primeira experiência, há muitos anos atrás, de... ir a um tasco, daqueles verdadeiros tascos, supra-sumos dos tascos, um tasco ao quadrado (não sei se me fiz entender).

Tudo começa pela localização! Como também é habitual neste tipo de estabelecimentos, os tascos encontram-se na sua maioria no meio de nenhures, no fim do mundo, onde ninguém está à espera de encontrar um restaurante. Quase que parecem uns clubes secretos, frequentados por uma elite (não no sentido usual da palavra) de pessoas que tiveram a honra de serem convidados a pertencer a este clube. Pois o Tatana fica nos confins de Paços de Ferreira, num beco onde ainda hoje não sei lá ir dar sem GPS, depois de já lá ter ido tantas vezes. Se calhar para o pessoal de Paços de Ferreira, aquilo encontra-se no centro, mas para mim (que não conheço nada dessa cidade) fico perdida com a localização.

Depois de o encontrar, temos de entrar (medo!). O restaurante tem mesmo aspeto de tasco, com mesas compridas, bancos corridos de madeira, as paredes repletas de garrafas de bebidas e qualquer recantos(incluindo o tecto) serve para pendurar bandeiras, cachecois e fotos de clubes de futebol, principalmente da equipa de Paços de Ferreira (como é óbvio). Esquecendo a decoração e qualquer dúvida sobre as condições de higiene, podemos dar início ao manjar.

As entradas! Com a quantidade de entradas do Tatana ficamos com mantimentos suficientes para alimentar uma pequena aldeira durante semanas! São tantas, mas tantas, e tão boas!! Na minha opinião, é o melhor do tasco!


Ora bem, temos: o pãozinho fresquinho (normalmente é regueifa), o queijo amanteigado, as fatias de presunto fininhas, apetitosas azeitonas, pataniscas de bacalhau grandes e fofas, os panadinhos de porco acabados de fritar, orelheira de porco com molho verde, rojões acompanhados de pickles, moelinhas bem condimentadas, alheira assada, chouriço e linguiça grelhados, costelinhas com chicha, e penso que deve estar quase tudo, se a memória não me falha... Tudo isto é despejado na nossa mesa, independemente do nº de pessoas que aí estejam! Aí é altura de entrarmos em pânico e pensar: isto tem tudo tão bom aspecto que eu quero devorar, mas não vou ter estômago! O que vale é o espadal fresquinho que temos a acompanhar, que ajuda a empurrar a comida pela goela abaixo.

Para quem ainda tiver estômago para mais, o que só vi a acontecer em raras ocasiões, pode pedir um dos 2 pratos principais disponíveis: posta ou costeletão. Qualquer uma das escolhas é boa, a carne é uma delícia, tenrinha, daquelas que só precisa de umas pedrinhas de sal para lhe dar sabor na brasa e já está! Estes pratos são acompanhados de batatas fritas fininhas e acabadinhas de sair da fritadeira, e uma salada de alface, tomate e cebola, para disfarçar a desgraça calórica!

Continuamos a emborcar espadal como se não houvesse amanhã e agora as paredes do tasco e o estilo decorativo até começa a fazer sentido na nossa cabeça. Depois de pedirmos ao sr. que nos serve um 2º estômago para cada um, somos brindados com uma pequena iguaria para terminar a refeição (sobremesa): os colh....zinhos de S. Simão, o que provoca sempre umas gargalhadas entre os clientes. Estas doçuras são cavacas (doces típicos das romarias portuguesas) cortadas a meio e regadas com mel. E também, para os que estiverem mais perto de virar o barco, há uma fatias de ananás para desenjoar.

E como não podia deixar de ser, num tasco há quase sempre aquele brinde final, o típico cheirinho, que aqui no Tatana é feito à base de aguardente + anis + groselha, guardado no congelador até à hora de servir. É posta a garrafa na mesa e cada um serve-se à vontade. Sentimos a garganta a queimar, mas ao mesmo tempo é docinho, e concencemo-nos que isto até deve fazer à digestão!

No final temos uma conta que já foi mais simpática,em tempos idos, no entanto, pela quantidade e qualidade da comida diria que está apenas um pouco inflacionada: 20€ com tudo incluído!
Depois é altura de rebolarmos até ao carro e ter a esperança que o GPS nos leve para casa.

Nota: só servem jantares (nada de almoços) e está sempre à pinha ao fim de semana, por isso convem reservar, especialmente se se tratar de um grupo.
 
Adega Regional "Tatana"
Rampa da Escola
Carvalhosa, Paços de Ferreira
Tlf: 255 962 971


Venham mais tascos! :)

Sem comentários :