Pesquisar no blogue

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Tascos imperdíveis: Novo Rumo

 
Com este post vou dar início a uma nova temática dentro da categoria Sítios sobre tascos onde vale mesmo a pena ir, fruto da minha experiência, claro.
 
tascos (definição de Donna Lisa): restaurantes onde se come em quantidades industriais, pratos tipicamente portugueses, sem o mínimo de preocupação por níveis de gordura, sal e açúcar, e cuja última das prioridades é a decoração do local (o que não quer dizer que seja obrigatoriamente má); normalmente os pratos são confecionados com produtos locais, de ótima qualidade, que provavelmente não passaram em nenhum controlo de qualidade (só o do cliente) e são geridos como um negócio familiar, em que diversos elementos da família cumprem as várias funções no tasco (desde a mãe cozinheira até ao pai empregado de mesa); além de tudo isto, são espaços que estão sempre cheios de clientela, barulhentos, e a conta no final é desproporcionalmente inferior à quantidade de comida que se ingeriu.
 
Para começar esta "categoria" vou dar-vos a conhecer o restaurante Novo Rumo, na Maia. Este tasco foi nos apresentado pela amiga M. (a que recebeu o cavalo de pau), que já é frequentadora assídua deste espaço há algum tempo. Sabendo o nosso gosto (ou adoração mesmo) em conhecer este tipo de estabelecimentos, convidou-nos a experimentá-lo.
 
A decoração é a típica de um restaurante português que tenta mudar um pouco ao longo dos anos para se modernizar, o que acaba por dar uma grande salsada em estilo decorativo, mas não é má de todo. Há que dizer que mesmo com reserva feita para jantar, temos de esperar um pedaço pela mesa, pois o restaurante está sempre cheio (à pinha!), especialmente com jantares de grupo, o que torna o espaço um pouco barulhento.
 
Vamos ao que interessa: a comida!! Bem, começa-se pelas entradas, como é habitual. Na mesa temos à nossa espera: pataniscas de bacalhau (grandes e com bacalhau mesmo), presunto fatiado fininho, diversos tipos de pão (entre os quais, algo do género pão e broa com chouriço), azeitonas, chouriço assado e alheira, polvo em molho verde, etc.
 
 Enquanto nos empanturramos com as entradas, e bebemos um bom vinho (a adega é rica em variedade) escolhemos o prato principal. Recomenda-se a vitela assada, o cabrito (disponível apenas em certos dias da semana) e os filetes de polvo. Mas parece-me que seja qual for o prato escolhido, será bem servido!
 
 
 
 
 
 
 
 
A vitela é divinal, tenrinha e de boa qualidade. Vem acompanhada por umas belas batatinhas assadas na mesma assadeira e bem condimentadas com o molho da vitela. A acompanhar um arroz de forno em assadeira de barro, bem apetitoso e a fazer lembrar os assados da avó, e um desenjoativo esparregado.
 
 
 
 
Os filetes de polvo são também tenrinhos, com um toque agradável de limão, e acompanhados de um arroz malandrinho de polvo (com bastante tomate).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quando parece que o nosso estômago vai rebentar, não pensem que já terminou, é a vez das sobremesas! O nosso espanto vai para o facto de nos serem colocados todos os bolos em cima da mesa para nos deleitarmos à descrição. Tivemos direito a: bolo de chocolate húmido, quindim, bolo de bolacha, tarte de limão, profiteroles em mousse de chocolate, etc! Já não me recordo do que mais havia, pois as sobremesas vão variando conforme os dias, mas diga-se que são todas deliciosas.
 
 
No final, uma água gaseificada fresquinha para acalmar o estômago, os cafés e a conta. A dolorosa (conta) não é assim tão dolorosa, pagamos em média 16€ por pessoa, o que me parece um valor muito simpático para a quantidade e qualidade de comida servida e ingerida.
 
 
 
 
Venham mais tascos! :)

1 comentário :

Bárbara disse...

Ver isto a esta hora... ai a água a crescer na boca...Sempre boas sugestões!!!