Pesquisar no blogue

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Pão de curgete e passas

Talvez há mais de 2 anos que decidi começar a fazer o meu próprio pão. Farta de ver sempre os mesmos tipos de pães à venda, com sementes, sem sementes, integral, de milho, com chocolate, etc, não existe melhor maneira de comermos um pãozinho ao nosso gosto do que fazê-lo!
A minha escolha vai sempre para pão integral, pois já que devemos ingerir hidratos de carbono (nem pensar em eliminá-los de vez da nossa alimentação!), pelo menos que venham acompanhados de muita fibra! =) Já agora, o mesmo se aplica a arroz e massas…
E quem pensa que para isso é preciso ter um tio padeiro e uma máquina toda XPTO, aqui estou eu para provar o contrário! Nesta minha missão, comecei por usar as farinhas preparadas para pão, isto é, que já vêm com a mistura feita e só temos de juntar água e deixar levedar antes de levar ao forno ou máquina. Entretanto comecei a querer aumentar o meu leque de escolhas e agora já faço a minha própria mistura e meto para lá o que me apetecer naquele momento (e o que houver na cozinha). E sem recurso a tecnologias ultra-avançadas como as máquinas de fazer pão que, depois de algumas primeiras utilizações, ficam encostadas a um canto da cozinha ou da dispensa a ganhar pó! Não há nada como o tradicional forno, muito versátil, e que chega perfeitamente para fazer um delicioso pão.
Desta vez optei por experimentar a receita que aqui transcrevo, disponível originalmente no site da fantástica revista “Better Homes and Gardens”, aqui!


Ingredientes:
- 1 chávena e ½ de farinha (usei integral)
- 1 colher de chá de canela
- ½ colher de chá de bicarbonato
- ½ colher de chá de sal
- ½ colher de chá de fermento (usei levedura)
- 1 pitada de noz-moscada
- 1 ovo batido
- 1 chávena de açúcar (usei açúcar de cana integral e apenas ½ chávena)
- 1 chávena de curgete ralada descascada*
- ¼ chávena de óleo (usei apenas 2 colheres de óleo de girassol)
- ½ chávena de nozes picadas
- 1/ chávena de uvas-passas (usei tâmaras** em vez de passas)

Pré-aquecer o forno a 200ºC.
Numa tigela média, combinar a farinha, a canela, o bicarbonato, o sal e a noz-moscada.
Colocar a levedura (fermento biológico instantâneo) num pouco de água morna*** e deixar reagir uns minutos. Se se usar fermento normal, juntar à farinha.
Noutra tigela, combinar o ovo com a curgete e o óleo. Juntar a mistura da levedura.
Aos poucos, adicionar a mistura do ovo à mistura de farinha e mexer bem. Juntar as nozes picadas e as passas/tâmaras.
No caso de se usar levedura, deve-se colocar a massa obtida num alguidar ligeiramente untado, tapar com um pano de cozinha ou com película aderente, e deixar crescer durante pelo menos 1h. No caso de se usar fermento, pode-se passar este passo à frente.
Colocar a massa numa forma tipo bolo-inglês (para ficar tipo pão-de-forma) ligeiramente untada. Colocar no forno durante +/- 50min, ou até estar cozido. Retirar do forno e deixar arrefecer cerca de 10min. Desenformar e deixar arrefecer antes de cortar em fatias.




Observações:
* Não esquecer de descascar as curgetes! Não façam como eu, que me esqueci e agora encontro pedacinhos verdes no meio do pão, o que até torna a coisa engraçada, mas pode parecer esquisito para quem não souber o que é! =) Dá para ver bem nesta última fotografia...
** No caso de se usar tâmaras, pode-se diminuir a quantidade de açúcar utilizado, pois estas conferem muita doçura ao pão.
*** Quando se usa levedura instantânea, deve-se sempre diluir num pouco de água morna (p. ex., ½ chávena) de forma a activá-la. Contudo, é preciso ter cuidado com a temperatura da água, não pode estar fria (senão não activa a levedura), nem pode estar muito quente (senão destrói a levedura).


Curiosidades:
  • Pode parecer estranho, à primeira vista, usar curgete para fazer pão, pois normalmente associamos este legume a sopas ou salteados, no entanto, a curgete ralada pode ser usada nas mais variadas confecções, desde saladas (crua) até bolos (como usei neste pão). Este legume, além de ter poucos hidratos de carbono, tem muita água e fibras, o que confere um toque saudável e húmido, permitindo substituir a gordura no caso dos bolos e pão.
  • Eu prefiro usar levedura instantânea quando faço pão, pois dá um ar mais fofo ao pão, senão fica muito “maçudo”.
ENJOY!! =)

Sem comentários :